A menina que tinha labirintos no cérebro

A dislexia não é bicho de sete cabeças, e não deveria ser tratada como algo a ser “consertado” na criança. É o que defende a escritora Marina Miyazaki Araújo, em entrevista para o CPD. Ela é autora do livro Dislexicando, escrito em “dislexiquês”, como ela diz, e traz uma boa reflexão para especialistas, professores e pais.

Continue reading »
Featured Video Play Icon

O cuidado com a intimidade

Sabemos onde vibra nosso coração? Ou o nosso desejo está sendo moldado pelo olhar do outro? Como preservar e enriquecer nossa intimidade como algo que temos de mais precioso, se perdermos a percepção de nós mesmos? O filósofo Renato Janine Ribeiro fala sobre as ameaças que pairam sobre a intimidade.  “E se o nosso desejo tiver se tornado um mistério para nós mesmos?” E tem também um texto de Rafael Trindade – “Torna-te quem tu és”, para expandir nosso olhar.

Continue reading »

“Vivi o Estado Novo e passei pela ditadura, mas nunca vi um período tão assustador como este na Educação”

Enquanto os países mais desenvolvidos na área de Educação já entenderam que a alfabetização não é uma questão de método, mas de como a criança aprende, o novo governo brasileiro retrocede 50 anos com a proposta de alfabetizar a partir de um método. “Estou assustada com o que vem por aí”, diz Magda Becker Soares, autoridade em alfabetização.

Continue reading »

“A milenar arte de educar dos povos indígenas”

Neste texto para a Revista Prosa Verso e Arte, Daniel Munduruku, escritor e professor brasileiro, da etnia mundurucu, fala sobre a visão de educação dos povos indígenas. Centrada nas necessidades do corpo, da mente e do espírito, e com foco no agora, incentiva a criança a viver plenamente o presente, “para que quando estiver vivendo outra fase da vida, não se sinta vazia de infância”.

Continue reading »

Corpo, servidão e liberdade

Mais uma perspectiva para pensarmos a relação mente/corpo, esta a partir dos conceitos de bom encontro, de Espinosa, e de reforço positivo, de Skinner, e o limiar entre nos tornarmos escravos felizes e impotentes ou seres livres com capacidade ampliada de ação. “O corpo humano pode ser afetado de muitas maneiras, pelas quais sua potência de agir é aumentada ou diminuída.”

Continue reading »