Brincar não é coisa de criança. Brincar é também coisa de gente grande

Brincar é a experiência libertadora de encontro consigo mesmo em todas as idades, na qual atingimos a potência máxima da capacidade de nos transformamos; e nada tem a ver com atividades lúdicas, brinquedos, parques de diversões. “Brincar requer disponibilidade de estar à deriva, sem intenção nenhuma de chegar a algum lugar ou atingir alguma meta”, diz Eliana Louvison.