O jogo, uma forma de acesso ao inconsciente, sua importância diagnóstica na infância.

Ana Maria Sigal

“Nosso interesse em elaborar ou solicitar um diagnóstico, sejamos psicoterapeutas, psicanalistas, médicos, fonoaudiólogos ou educadores é o de abordar os processos que tecem a malha dinâmica da complexidade do indivíduo sempre com a ideia de abrir, de analisar, e não como modo de sintetizar.”

Leia o artigo clicando aqui